Luca Moreira

Luca Moreira entrevista cantora americana Megan Nicole no Brasil

Aparecendo pela primeira vez no YouTube a 8 anos com sua versão cover da música “Use Somebody” da banda Kings Of Leon, a cantora e atriz Megan Nicole teve desde pequena a música presente em sua vida. Sua primeira experiência profissional como cantora foi em um show do grupo Boyce Avenue em uma turnê de 2011.

Ao alcançar a marca de 23 milhões de visualizações no YouTube aos 18 anos, Megan teve a oportunidade de mostrar seu talento para ninguém menos que Sean Diddy Combs, proprietário da gravadora Bad Boy Records.

Hoje a cantora conta para seus fãs brasileiros um pouco mais da sua trajetória, vindo em uma linha do tempo desde seus primeiros covers de Justin Bieber e Bruno Mars, passando pelo lançamento de seu primeiro EP e ainda sobre sua primeira experiência como atriz sobre como a sua construção como cantora lhe deu suporte para atuar.

Quando foi que a música começou a tomar espaço na sua vida?

A música sempre fez parte da minha vida. Nós ouvíamos música no carro, em casa…Tanto eu quanto minha irmã tocávamos piano e ocasionalmente, o meu pai tocava o saxofone.

Nunca pensei que isso se tornaria algo que eu iria dar continuidade até que quando eu tinha uns 15 anos  aprendi a tocar guitarra e comecei a escrever minhas próprias músicas.

No começo, a família demonstrou apoio por sua opção de ser cantora?

Uma vez que eles viram que não era apenas uma fase, eles começaram a me apoiar. Sempre me incentivaram a perseguir meus sonhos e trabalhar duro para torná-los realidade.

Como foi conhecer Sean Diddy Combs após bater 23 milhões de visualizações no canal?

Eu nunca imaginava que estaria na casa do Diddy em Miami, tocando minhas músicas para ele.

Foi muito louco, mas eu estava muito calma sobre tudo. Tinha acabado de completar 18 anos quando assinei o meu primeiro contrato de gravação.

Olhando para trás, foi um capítulo divertido da minha vida e foi emocionante pensar que mesmo que tenha terminado, ainda haveria mais por vir.

Em dezembro de 2009, conseguiria imaginar que teria todo esse sucesso e reconhecimento que está tendo hoje?

Eu me sinto tão incrivelmente abençoada por fazer da música minha vida. Ainda há muitos objetivos que eu ainda quero alcançar, mas já é tão surreal eu estar onde estou.

O que a fez escolher as músicas de Bruno Mars, Katy Perry e Justin Biber como seus primeiros covers?

Estes foram alguns dos artistas que eu estava ouvindo muito na época, e ainda costumo a ouvir. Eles têm grandes canções e eu gosto de fazer covers  deles.

Como foi o lançamento de “B-e-a-utiful”, seu primeiro single original? E de onde veio inspiração para a composição?

Foi muito assustador lançar a minha primeira composição original. Todas essas perguntas passaram pela minha cabeça como:  “as pessoas vão gostar?”,  “Será que vão mesmo aceitar, ou se relacionar?”.

Poder conhecer tantas pessoas que ouviram a música e poderão se conectar a ela foi um dos melhores sentimentos. Eu escrevi “b-e-a-utiful” em um momento da minha vida que eu não tinha experimentado me apaixonar ainda, então eu queria escrever sobre o que eu sentia.

 Você tem alguma cantora como inspiração?

Há tantas mulheres incríveis neste campo. Recentemente, vi a Bebe Rexha reunindo-se com  um grande número de mulheres na música para uma noite de celebração juntas.

Eu achei muito legal. Adoro ver mulheres se apoiarem. Para citar alguns, Kelsea Ballerini, Janelle Monáe e Lorde são alguns artistas que me inspiram.

Como foi a gravação de seu primeiro EP “Escape”?

Foi a gravação de um vídeo de música inacreditável. Foram longos dias, andando descalço com vestidos de contos de fada, mas foi tão incrível poder  trabalhar com tantos animais surpreendentes.

O filme “Summer Forever” foi a sua primeira aparição como atriz. Como foi essa transição entre cantar e atuar?

Atuar é algo que me diverte e quero buscar mais. Eu amo contar histórias em meus vídeos de música, então participar de projetos de atuação foi uma transição muito natural para mim.

É algo que eu quero continuar me esforçando para crescer.

Acha que o trabalho como cantora cooperou na hora de começar o trabalho como atriz?

De muitas maneiras, atuar é uma grande parte da música. Quando você faz uma performance, você se conecta emocionalmente com a música. Você também cria  visualizações que contam uma história durante a música.

Qual foi a primeira vez que subiu num palco como profissional?

Foi na minha primeira turnê em 2011 com um grupo chamado Boyce Avenue.

Esse foi um dos momentos em que senti como se minha música tivesse oficialmente se tornado profissional.

Muita gente hoje busca construir carreira através do YouTube. Qual dica tem pra passar aos novatos na plataforma?

Eu diria que seria conhecer a sua voz, ser autêntico e criar coisas divertidas que você gostaria de ver ou ouvir.

Como se sentiu ao perceber  pela primeira vez que estava tendo a atenção dos produtores na internet?

Foi um momento de provar para mim que eu era capaz de criar e escrever com outras pessoas que fizeram sua marca no mundo da música.

Foi difícil deixar o Texas e ir para Los Angeles?

Eu sempre senti meu coração me chamando para a Califórnia.

Estava procurando uma faculdade em Los Angeles antes da minha família se mudar.

Deixe uma mensagem para seus fãs no Brasil.

Obrigado por me apoiarem e espero que vocês possam ver o meu novo álbum, “My Kind of Party.” Espero poder visitar vocês todos um dia. Amo vocês!

Notícias sobre:
Curta nossa página e siga-nos no Instagram @breaktudoreal e no Twitter @breaktudo

Sobre o autor

Bruno Cunha de Sousa